quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Poupança rubro-negra

Nesta quarta-feira, Flamengo e Atlético-PR escreveram mais um capítulo da Copa Sul-Americana. Essa novela vai longe e no início não costuma apresentar capítulos empolgantes.

Bom, desde o começo da semana, poupar, se tornou a palavra da hora. Divididos entre o Campeonato Brasileiro e a Sul-Americana, Fla e Atlético pouparam os seus principais jogadores.

Já dizia o poeta: - Poupar talento afasta o público e diminui a qualidade do espetáculo. Dito e feito. O Engenhão recebeu poucos torcedores e o desprazer ficou por conta do festival de passes errados. Foram 97 no total. Devido a isso, fica impossível apresentar um jogo agradável.

O primeiro tempo do Flamengo se resumiu aos chutes de Jael e as investidas de Leo Moura e Diego Maurício pelo setor direito. Já o Furacão procurava ameaçar com o auxílio da bola parada. Em meio a essa triste realidade, logo, o marcador esteve longe de ser alterado.

Pode-se dizer que o jogo começou aos 13 do segundo tempo. Quando Vanderlei colocou Renato, Thiago Neves e Ronaldinho. A partir daí, o rubro negro carioca deu um salto de qualidade e passou a pressionar o Atlético-PR. Tanto buscou, que acabou conseguindo uma penalidade, aos 35, em trama de R10 e Jael. Parecia flashback da jogada do gol do último sábado. Só que desta vez, o centroavante “cruel” foi derrubado. Em seguida, Ronaldinho converteu o pênalti que garantiu a vitória do Flamengo, por 1 a 0.

Agora, o Mengão leva uma pequena vantagem para Curitiba. Espero, sinceramente, que o jogo de volta seja bem melhor. Até porque, esse foi o pior jogo que assisti no ano, simplesmente sofrível.

Imagem: Uol

0 comentários:

Postar um comentário